28/11/2016

Resenha: Harry Potter e a Pedra Filosofal

Título: Harry Potter e a Pedra Filosofal
Título Original: Harry Potter and the Philosopher's Stone
Autora: J.K. Rowling
Editora: Rocco
Páginas: 223
Ano: 2015
Classificação: 5/5 ♥

Sinopse: A vida do menino Harry Potter não tem um pingo de magia. Ele vive com os tios e o primo, que não gostam nem um pouco dele. O quarto de Harry é, na verdade, um armário sob a escada, e ele nunca comemorou um aniversário sequer em onze anos. Até que, um dia, Harry recebe uma carta misteriosa, entregue por uma coruja: um convite para estudar num lugar incrível chamado Escola de Magia e Bruxaria Hogwarts. Lá ele vai encontrar não só amigos, esportes praticados em vassouras voadoras e magia para todo lado, como também seu destino, que espera por ele desde que nasceu... Se ele sobreviver a tudo que esta descobrindo, é claro.

12/11/2016

Top 5: capas mais bonitas da minha estante


Ei, people! Eu não sou muito ligada a capas de livros, as minhas favoritas são porque eu gosto e não porque são bonitas de verdade. Eu é que enxergo a beleza nelas, é diferente. Mas, ainda assim, decidi fazer um top 5 das capas mais bonitas. Espero de verdade que vocês gostem


Seduzida pelo sol ardente e pelas paixões ofuscantes da Itália Renascentista, a jovem Lucrécia de Medici, de 16 anos, vê uma vida dourada estendendo-se à sua frente. Seu marido muito rico escolheu-a como esposa, e o grande castelo dele em Ferrara vai ser o seu playground. Mas Alfonso d’Este, Duque de Ferrara, rapidamente se mostra tão perigoso e misterioso quanto é moreno e bonito, e as paredes de pedra do castelo parecem fechar-se em volta de Lucrécia como os muros de uma prisão. Apenas a amante do duque, Francesca, parece capaz de domar sua fúria crescente, enquanto sua necessidade desesperada de produzir um herdeiro o faz cair numa obsessão delirante. Com a cabeça cheia de sonhos desfeitos, Lucrécia foge dele por um caminho perigoso que pode lhe custar muito caro.

Como eu disse a vocês, a beleza está nos meus olhos e não na capa. Eu enxergo a belíssima duquesa de Médici, que decidiu abandonar o marido e fugir para viver um grande amor. Uma capa que é tão bonita que às vezes me pego admirando-a.


Um amor proibido. Um exílio forçado. Uma igreja em crise. O ano é 1570. Na cidade italiana de Ferrara, o Convento de Santa Catarina recebe Serafina, uma jovem de 16 anos enviada pela família para uma vida de reclusão. Separada do homem que ama, Serafina reage ao exílio no convento com revolta, e sua primeira noite como noviça é marcada por uma demonstração de fúria tão violenta que a freira responsável pelo dispensário se vê obrigada a sedá-la. Conforme a jovem segue protestando contra seu encarceramento, a paz das religiosas é ameaçada e rebeliões começam a ser deflagradas. Paralelamente, fora dos muros do convento, os preceitos da Contrarreforma passam a impor um regime opressivo que coloca em risco o pouco da liberdade conquistada pelas freiras; mas o espírito de resistência de Serafina se fortalece, e o fogo que ele produz ameaça consumir tudo e todos que a cercam.

Novamente, uma beleza que somente eu devo conseguir enxergar. Na imagem, vejo a tristeza no olhar de Serafina, que foi obrigada a viver em um convento, separada de seu grande amor. Estou inspirada hoje.


O primeiro amor, a inocência perdida, e a beleza que pode ser encontrada até nas circunstâncias mais perversas. Sphinx e Cadence — prometidos um ao outro na infância e envolvidos na adolescência. Sphinx é meiga, compassiva, comum. Cadence é brilhante, carismático — e doente. Na infância, ele deixou uma cicatriz nela com uma faca. Agora, conforme a doença de Cadence progride, ele se torna cada vez mais difícil. Ninguém sabe ainda, mas Cadence é incapaz de ter sentimentos. Sphinx quer continuar leal a ele, mas teme por sua vida. O relacionamento entre os dois vai passar por muitas reviravoltas, até chegar ao aterrorizante clímax que pode envolver o sacrifício supremo.



Eu confesso que esperava mais dessa história, mas devo dizer que a capa fez a minha cabeça. Um trabalho que me parece ser mais simples do que outros e que teve um resultado esplêndido.


Charlotte Kinder é bem-sucedida nos negócios, mas não no amor. Tentando se reerguer após um doloroso divórcio — e ainda obrigada a ver o ex-marido se casar com a amante —, ela passa a enfrentar o mundo dos programas arranjados com homens desconhecidos. Sem esperanças, se presenteia com duas semanas na Austenlândia, uma mansão interiorana que reproduz a época de Jane Austen. Lá, todos devem se portar de acordo com os costumes da Inglaterra regencial, ou seja, homens são perfeitos cavalheiros e o espartilho é item obrigatório nos trajes de uma dama. Porém, na verdade, os homens são atores, contratados para entreter as hóspedes. Todos em Pembrook Park devem desempenhar um papel, mas, com o passar do tempo, Charlotte não tem mais certeza de onde termina a encenação e começa a realidade. E, quando os jogos na casa se mostram um pouco assustadores, ela descobre que talvez nem mesmo o chapéu mais bonito poderá manter sua cabeça grudada ao pescoço. Ao contrário do que se poderia pensar, Pembrook Park se revela um lugar intimidante, e a experiência de Charlotte passa a ser muito diferente da descrita no pacote de férias.

Sabe aquele livro que você tira da estante só para ver a capa? Pois bem, muitas vezes eu faço isso com esse livro porque a capa é simplesmente linda! Infelizmente, a história não foi tão boa quanto eu esperava, mas a capa continua me arrancando suspiros.

Bea foi diagnosticada com transtorno obsessivo-compulsivo. De uns tempos pra cá, desenvolveu algumas manias que podem se tornar bem graves quando se trata de... garotos! Ela jura que está melhorando, que está tudo sob controle. Até começar a se apaixonar por Beck, um menino que também tem TOC. Enquanto ele lava as mãos oito vezes depois de beijá-la, ela persegue outro cara nos intervalos dos encontros. Mas eles sabem que são a única esperança um do outro. Afinal, se existem tantos casais complicados por aí, por que as coisas não dariam certo para um casal obsessivo-compulsivo? No fundo, esta é só mais uma história de amor... e TOC.



Mais um livro que vai para a lista de capas mais simples, mas super lindas! Confesso que a história desse livro deixou um pouquinho a desejar, mas a capa desse livro é a coisa mais linda que tem, impossível não amar ♥

E então, dearies, o que acharam? Disponibilizei as resenhas para vocês, para o caso de se interessarem por algum livro. Ah, e se já leu algum deles, me conta o que achou. :)

03/11/2016

Tag: 25 fatos literários sobre mim


Hello, friends! 
Hoje eu resolvi responder a tag 25 fatos literários sobre mim. Espero de coração que vocês gostem e não se esqueçam de comentar os fatos de vocês ♥

1. O primeiro livro que eu li - e que não era conto de fadas - foi Um gosto de quero mais, da Sonia Sarleno Forjaz;

2. Na época que eu li, estava muito fissurada no assunto gravidez na adolescência e ele se encaixou perfeitamente; 

3. Depois de ler esse livro da Sonia, eu passei muito tempo sem ler. Tipo, muito tempo mesmo;

4. Eu fui voltar a ler em 2012 e o livro que eu escolhi foi Fazendo meu filme, da Paula Pimenta. E é por essa e outras razões que a Paulinha é uma das minhas escritoras favoritas;

5. Eu li Fazendo Meu Filme junto com uma amiga, mas como ela lia em casa, acabou não dando certo e eu tive que comprar um livro pra mim;


6. Na maioria das vezes que os meus livros estragam, a culpa é minha;

7. Voltando da escola com minha prima, eu resolvi que seria uma boa ideia comemorar que estava gostando de Extraordinário jogando-o para o alto (não façam isso em ca... na rua, quero dizer). E o que aconteceu foi que o livro caiu no chão e ficou todo sujo. 

8. Eu nunca protegi meus livros quando eles estavam dentro da minha mochila. Um dia, tomei uma chuva que deixou Bling Ring - A Gangue de Hollywood ensopadinho;

9. Eu tenho três histórias ruins em relação no quesito emprestar livros;

10. Eu emprestei Cidade dos Ossos e Cidade das Cinzas para uma ex-colega de escola em 2013 e até hoje não os recebi de volta;

11. Eu ainda não fui cobrar porque não gostei tanto assim da história e porque morro de vergonha;

12. Emprestei Minha Vida Fora de Série para minha madrinha e ele voltou completamente danificado. Eu só não falei nada porque tenho a impressão de que foram meus primos que causaram isso;

13. Eu comprei um novo exemplar de MVFDS e, novamente, emprestei. Dessa vez foi para uma "amiga". O livro voltou com a capa soltando das folhas, mas eu deixei por isso mesmo;

14. Eu acho muito interessante as pessoas que consegue tomar um café enquanto leem. Eu simplesmente não consigo me concentrar na leitura;

15. Ah, também não consigo comer enquanto estou lendo. Tenho fobia de deixar o livro manchado de comida;


16. Ah, eu não tenho problema algum em ler dentro de ônibus, carro, trem, avião, disco voador.

17. Se eu estiver lendo dentro do ônibus, eu preciso estar com o fone de ouvido para poder me concentrar;

18. O único livro que eu consegui ler depois de ter assistido o filme foi Harry Potter e eu demorei muito pra fazer isso;

19. Eu sou completamente apaixonada pela Tris de Divergente. Eu me identifico muito com ela e de todas as personagens, ela é uma das minhas favoritas;

20. Eu tenho quase certeza absoluta que é por causa disso que ainda não terminei de ler Insurgente e Convergente;

21. Eu adoro receber livros de presente. Independente do tema, eu adoro;

22. Eu não sei quantos livros autografados eu tenho, mas eu acredito que são mais de 5. Não me considero a louca dos autógrafos;

23. Eu só entro na livraria para ver os livros. Tem muito tempo desde a última vez que eu comprei livro em livraria. Prefiro comprar pela internet, onde é bem mais barato;

24. Eu não tenho problema algum em gastar dinheiro com livros. Quem tem problema com isso é o meu bolso;

25. Eu tenho muita vontade de marcar meu corpo com uma tattoo, e uma delas vai ser de livros. ♥