25/07/2017

Resenha: Quatro

Título: Quatro
Título Original: Four
Autora: Veronica Roth
Editora: Rocco
Páginas: 272
Ano: 2014
Classificação: 3,5


Sinopse: Reunindo quatro histórias da série Divergente contadas da perspectiva do personagem Tobias, e três cenas exclusivas, Quatro Histórias da série Divergente oferece aos fãs da saga criada por Veronica Roth a chance de conhecer melhor a personalidade de um personagem fascinante e complexo e a chance de mergulhar mais fundo na sociedade dividida em facções criada pela autora. Com mais de 21 milhões de exemplares vendidos em todo o mundo, a série Divergente chegou aos cinemas com Shailene Woodley e Theo James nos papéis principais.

Resenha: Conhecer o ponto de vista de Tobias me fez perceber o quão frágil e forte ele é ao mesmo tempo. Seus medos e superações. O sentimento profundo que ele tem ao ver a Tris pela primeira vez e a forma como tenta protegê-la.


Achei o livro um pouco pequeno - infelizmente - mas da pra ter uma ideia das confusões que se passam na mente de Quatro. O relacionamento com a família, amigos, a iniciação (nada que entre muito na história) dele na Audácia, como ele fez para esconder sua "divergência"...

“Não existem salas seguras, assim como não existe verdades seguras ou segredos que possam ser contados com segurança.” – p. 15

O livro conta também sobre a época em que Tobias Eaton pertencia à sua antiga facção, a Abnegação, e sofria abusos de seu pai, Marcus. É incrível saber como ele consegue "superar", incluindo com a ajuda de Tris, uma época tão turbulenta e dolorosa da sua vida. A morte de sua mãe e seus dias confinados e tristes que passava ao lado do pai.


Minha felicidade é saber que o livro ainda tem mais 4 continuações (A Transferência; A Iniciação; O filho e O Traidor). Mas só o ultimo tem a presença de Tris. Estou ansiosa para ler cada um deles! hahahah
E vocês?

"É estranho ocupar tanto espaço apenas existindo, quando eu costumava desaparecer com tanta facilidade."
—  Quatro

22/07/2017

TBR Maratona Literária de Inverno 2017


Resolvi participar da Maratona Literária de Inverno e, junto desse milagre, realizei outro: gravar um vídeo pro canal, nele eu mostrei todos os livros que eu escolhi. Deixem nos comentários (pode ser aqui ou no YouTube) como que eu farei para vencê-la tendo escolhido 9 livros no total, afora dois que foram de acréscimo.

Em todo milagre existe também uma ilusão. Oliveira, Júlia

PRINCIPIANTE
1. Ler um livro com a capa azul;
2. Ler um livro com menos de 200 páginas;
3. Ler um livro que comprou pela capa;

INTERMEDIÁRIO
4. Ler um livro escrito por uma mulher;
5. Ler um livro sem saber a sinopse ou do que se trata;
6. Ler um livro nacional;

HARDCORE
7. Ler um livro que se passe durante um período histórico importante;
8. Ler um livro com pontuação no título;
9. Ler um livro que é muito criticado ou que alguém não gostou.

20/07/2017

Livros podem salvar vidas...


Criar postagens que falem sobre sentimentos não é o meu forte. Não é e talvez nunca seja. Talvez porque pode ser que eu acabe pegando gosto e acabe me aperfeiçoando ao longo do caminho.

Uma vez, quando eu estava muito perdida em relação a vida, em relação aos sentimentos e em relação ao amadurecimento, fui salva pelos livros. Esses momentos foram complicados e, ao mesmo tempo, cheios de intensidade.

Todo adolescente não sabe o porquê das coisas.

O porquê de seu melhor amigo ter lhe dado uma apunhalada nas costas, o porquê de seus pais serem tão absurdamente chatos o porquê de você simplesmente não se encaixar a nada.

Eu sempre fui muito "da lua", sempre acreditei em contos de fada e esperei por príncipes na infância. Quando eu vi que as coisas não aconteciam dessa forma, fiquei completamente perdida. Eu não sabia lidar com esse absurdo que é a vida real. Fiz coisas das quais me arrependo muito e que só o tempo será capaz de fazer com que eu me perdoe.

Depois de tudo que passei na adolescência, achei que os livros não precisariam me salvar novamente. Achei que eu simplesmente estava salva de precisar ser salva. Só que não.

Eu tenho passado por momentos difíceis, daqueles marcantes, daqueles tão dolorosos e tão marcantes. E, novamente, os livros tem me salvado. Eles tem me mostrado que eu posso sobreviver a tudo isso, que vai ser sim muito difícil, mas que são momentos necessários.

Só queria, então, deixar registrado o meu agradecimento aos autores e a suas brilhantes histórias. Queria pedir desculpas por me ausentar do blog, mas dizer que aos poucos eu vou retornando e, talvez, pode ser que tenha um dia que eu não tenha força alguma para postar. Tenham paciência comigo, é que tá difícil, mas eu tenho os melhores amigos do mundo que sei que irão me ajudar. ♥

06/07/2017

Resenha: Nem Tão Simples Assim

Título: Nem Tão Simples Assim
Autora: Renata Varela
Páginas: 263
Ano: 2017
Classificação: 3/5

Sinopse: O quão simples é simples demais? Bárbara nunca teve tanta sorte assim. Seus relacionamentos nunca iam para a frente, sua carreira estava estacionada, sem nenhum avanço, e o relacionamento com sua família não é lá os melhores. Mas, de uns tempos pra cá... Tudo está se encaixando. Tudo está nos eixos, parece que o mundo está conspirando a seu favor. Está tudo muito bem, obrigada! Está bem até demais! Ela tem um emprego maravilhoso, um namorado bem sucedido, bonito e atencioso; sua melhor amiga está de volta em sua vida e há mais de seis meses ela não se sente como uma decepção para sua família. Só que nada é tão simples assim. Uma maré de sorte pode se transformar num tsunami de azar, só basta uma chacoalhada.

04/07/2017

Resenha: Convergente

Título: Convergente
Título Original: Allegiant
Autora: Veronica Roth
Editora: Rocco
Páginas: 526
Ano: 2013
Classificação: 3,5

Sinopse: A sociedade baseada em facções, na qual Tris Prior acreditara um dia, desmoronou – destruída pela violência e por disputas de poder, marcada pela perda e pela traição. Em Convergente, o poderoso desfecho da trilogia de Veronica Roth iniciada com Divergente e Insurgente, a jovem será posta diante de novos desafios e mais uma vez obrigada a fazer escolhas que exigem coragem, fidelidade, sacrifício e amor. O livro, que chega ao Brasil no momento em que Divergente estreia nos cinemas, alcançou o primeiro lugar na lista de bestsellers do The New York Times.



Contém Spoilers!

Resenha: Todos que me conhecem sabem o quanto sou apaixonada por essa saga, e sou suspeita para falar o quanto Convergente é incrível. A história é contada através da visão de Tris e Tobias, o que garante uma visão multipolar, mostrando os pensamentos e sentimentos que os dois têm no decorrer do livro.

Após apresentar o vídeo de Edith Prior à toda cidade, Tris, Tobias, Cristina, Uriah, Caleb e Peter saem da cidade achando que estão indo a uma missão para ajudar a humanidade. Acabam encontrando com pessoas Amah (treinador de Tobias 

As rebeliões na cidade contra o regime das facções - que agora não existem mais - estão cada vez mais intensas. Já no complexo, todos eles lutam contra seu governante para manter suas famílias e amigos que estão na cidade à salvo. 

"The first step to loving someone else is to recognize the evil in ourselves, so we can forgive them."

"O primeiro passo para amar alguém é reconhecer os pecados de nós mesmos, para que podemos perdoá-los."


Tentando fazer o certo, da maneira errada, Tobias acaba se envolvendo em uma grande confusão e Tris acaba se afastando dele. Com Uriah em coma (Tobias se sente completamente culpado por isso, e Tris acaba o culpando também, mesmo que sem querer) e com tantas mentiras no ar, eles não sabem qual é a coisa certa a se fazer.

Após alguns testes, eles descobrem o que são os Divergentes, que são chamados de Geneticamente Puros. Os GPs são pessoas com o DNA sem indícios das vacinas para personalidade que seus ancestrais tomaram no passado, para poder intensificar suas qualidades. Tornando, por exemplo, quem escolhia a Erudição, inteligente. A Audácia, os audaciosos. A Amizade, as pessoas que eram mais pacíficas. A Franqueza, os que valorizavam a verdade. A Abnegação, os altruístas. E, por fim, os Sem-facções, que acabaram se tornando uma "facção", pois a maioria dos Divergentes não eram aceitos nas outras facções por não conseguirem seguir um só lugar ou serem só uma coisa.

"Os que culpavam a agressividade formaram a Amizade
Os que culpavam a ignorância se tornaram a Erudição
Os que culpavam a duplicidade fundaram a Franqueza
Os que culpavam o egoísmo geraram a Abnegação
E os que culpavam a covardia se juntaram à Audácia"

O que eu mais amo na saga Divergente, é que Veronica Roth não foca só no romance. Ela faz uma incrível mescla entre romance e aventura, sem deixar a coisa muito melosa. Mostrando um lado bem realista dos relacionamentos, as diferenças entre cada um. As opiniões e o modo de pensar, onde eles evoluem juntos, ora errando, ora perdoando. 


SPOILERS


É preciso ter o coração e o psicológico muito fortes para aguentar a morte dos personagens mais fantásticos e que mais nos afeiçoamos durante a história. Eu tive várias ressacas literárias ao ler esse livro, e muitas vezes ficava tão triste que deixava de ler por algumas semanas. A morte da protagonista (Tris Prior) foi a coisa mais idiota e mais incrível que aconteceu. Lutou pelo bem maior e acabou perdendo a vida por causa disso. Tobias supera seu maior medo para fazer uma homenagem linda e sincera à Tris, e ele volta para a cidade, onde a vida segue normal, tranquila e sem as facções.


"Can I be forgiven for all I’ve done to get here?

I want to be.
I can.
I believe it."
"Posso ser perdoada por tudo o que fiz para chegar aqui?
Eu quero ser.
Eu posso.
Eu acredito nisso."

Créditos Sinopse: Skoob

01/07/2017

Indicação: Lie To Me


Quando você coça o queixo, torce as mãos ou mexe o nariz, o Dr. Cal Lightman (Tim Roth) sabe que você está mentindo. Ele não apenas imagina, ele sabe. Sua incrível capacidade de observação o fez se tornar o maior especialista em identificar enganações do país. Um detector de mentiras ambulante, Cal descobre os maiores segredos e desvenda os casos mais complicados para o FBI, corporações e indivíduos privados.


Talvez vocês não saibam, mas não sou a maior fã de seriados. Eu não costumo me viciar em todos como a maioria. Para ser conquistada por um seriado, ele tem de ser bem especial mesmo. Pelo menos pra mim.

Foi exatamente assim com Lie to me. Eu comecei a assistir uma vez, mas parei, aí, recentemente, voltei a assistir e fiquei completamente viciada! Eu gostei tanto que me vi fazendo parte daquela equipe, identificando mentiras somente olhando para os rostos das pessoas.

O problema é que alegria de pobre dura muito pouco e acabei descobrindo que a série foi cancelada em sua terceira temporada. É, eu agora vou pesquisar bem mais antes de me aventurar em mais uma. Havia ainda mais um probleminha. A Netflix e a Fox cancelaram a parceria e vários seriados serão retirados. Imagina quem a Netflix resolveu cancelar? Lie to me, pois é. E como se não bastasse tirar Lie to me, eles ainda vão tirar Modern Family. {sério, tá difícil continuar com essa assinatura}

Voltando agora ao seriado, fiquei muito apaixonada por todos os personagens e por todos os casos. Ele possui aquele estilo Supernatural, onde no final descobrimos quem está mentindo. Não tem aquela coisa de alongar por vários episódios, o que eu adoro.

Infelizmente, aos que não conheciam a série e possuem assinatura na Netflix, ele não vai fazer grande diferença. Mas, sério, é tão bom que fica difícil não recomendar.

29/06/2017

Tag: 50%


1. O melhor livro que você leu até agora;
A Menina Que Não Sabia Ler. Mesmo não tendo alcançado a maior nota comigo, de todos os que eu li o que eu mais fiquei determinada na leitura foi esse. É claro que, como eu disse na resenha, o final não me agradou, mas foi muito bom ter lido.

2. A melhor continuação que você leu até agora;
A Garota do Calendário - Março foi, com certeza, o melhor livro até então da famosa série. Pelo menos pra mim. O casal gay mais shippável me conquistou de uma maneira que não consegui parar de ler até finalizá-lo. 144 páginas nunca passaram tão depressa...

3. Algum lançamento do primeiro semestre que você ainda não leu, mas quer muito;
A Guerra Que Salvou A Minha Vida; Ada tem dez anos (ao menos é o que ela acha). A menina nunca saiu de casa, para não envergonhar a mãe na frente dos outros. Da janela, vê o irmão brincar, correr, pular – coisas que qualquer criança sabe fazer. Qualquer criança que não tenha nascido com um “pé torto” como o seu. Trancada num apartamento, Ada cuida da casa e do irmão sozinha, além de ter que escapar dos maus-tratos diários que sofre da mãe. Ainda bem que há uma guerra se aproximando. Os possíveis bombardeios de Hitler são a oportunidade perfeita para Ada e o caçula Jamie deixarem Londres e partirem para o interior, em busca de uma vida melhor.


4. O livro mais aguardado do segundo semestre;
Eu não tenho acompanhado muitos lançamentos recentemente, até porque tenho vários livros na estante esperando para serem lidos. Mas fiquei sabendo que no final do ano sairá mais um livro da J.K. Rowling, então podem saber que vou colher todas as informações que saírem para poder adquiri-lo.

5. O livro que mais te decepcionou esse ano;
Nem Tão Simples Assim, da autora parceira Renata Varela. Infelizmente nada me agradou muito na leitura, os personagens não me cativaram e foi difícil terminá-lo. Acredito que a falta de razão para as coisas acontecerem prejudicou e muito.

6. O livro que mais te surpreendeu esse ano;
Eu juro que não dava nada por Harry Potter e a Criança Amaldiçoada, imaginei que iria odiá-lo com todas as minhas forças, mas, felizmente, isso não aconteceu. Eu fiquei bastante surpresa com tudo que foi apresentado e não pude deixar de avaliá-lo com a maior nota.

7. Novo autor favorito (que lançou seu primeiro livro nesse semestre, ou que você conheceu recentemente);

Bom, como eu não tenho acompanhado lançamentos literários desse ano, acredito que ficarei no autor que conheci esse ano. E a autora que escolhi foi Jenny Han, do livro Para todos os garotos que já amei. O livro é uma ficção juvenil e é tão leve, mas tão leve que fica impossível de não gostar.

8. A sua quedinha por personagem fictício mais recente;
Vocês já devem saber que isso não é comum de acontecer, os personagens masculinos de alguns livros não me atraem tanto quanto a outros, mas o William de O Que Me Disseram as Flores, até então, foi o que menos me repeliu. Mesmo sendo insistente e tendo pouco amor próprio, eu adorei conhecê-lo.

9. Seu personagem favorito mais recente;
O famoso detetive Cormoran Strike de O Chamado do Cuco é um desses que marca o leitor. Por sua rudeza no modo de tratar e no modo de ser, ele acaba sendo um personagem interessante de acompanhar. Não vejo a hora de poder ler os próximos livros.

10. Um livro que te fez chorar nesse primeiro semestre;

A história de Quarto foi tão emocionante que até hoje eu não consigo parar de pensar no livro e em tudo que mãe e filho passaram. É desses livros que a gente tem vontade de mostrar pra todo mundo.

11. Um livro que te deixou feliz nesse primeiro semestre;

Cabeça de Vento da Meg Cabot foi um dos livros que li no primeiro semestre e que estava ansiosa. Foi bom tê-lo conhecido, já que estava na minha lista há bastante tempo. Eu achava que iria gostar mais, mas, apesar disso, valeu a pena.

12. Melhor adaptação cinematográfica de um livro que você assistiu até agora;

Eu não estou me recordando de nenhuma adaptação que seja recente, afora Quarto, mas esse não assisti até o final. Relaxem, eu sou dessas que começa e não termina nunca. Mas esse ano eu assisti a adaptação de A Última Música (que eu amo) e de A Hospedeira

13. Sua resenha favorita desse primeiro semestre (escrita ou em vídeo);

A minha booktuber favorita sempre foi a Giu Fernandes e, desde que ela parou de gravar, eu venho assistindo os vídeos da Beatriz Costa e tenho amado também. Os vídeos são simples, mas ela é tão espontânea que eu não consigo não viciar no canal dela. Portanto, qualquer vídeo de resenha que ela tenha feito costuma me agradar, nós duas, pelo que percebi, temos os gostos parecidos.

14. O livro mais bonito que você comprou ou ganhou esse ano.

Até então, o livro mais bonito que ganhei esse ano é Harry Potter e a Criança Amaldiçoada. Só de ele ter aquela capa dura com a jacket já conquistaria meu coração, mas ele também possui uma diagramação cheia de detalhes que eu amo.